Ginkgo biloba é um dos suplementos mais populares usados ​​em todo o mundo. As folhas dessa árvore são muito populares para melhorar a memória e prevenir problemas cognitivos, como a demência. No entanto, os pesquisadores estão descobrindo que o ginkgo biloba pode não ser tão eficaz quanto se pensava. Além disso, pode aumentar o risco de uma condição médica perigosa, mas comum.

Assim como tudo na vida, é preciso o consumo responsável e o acompanhamento médico para o uso de qualquer suplemento. Principalmente se você estiver usando algum medicamento, a interação com o ginkgo biloba pode prejudicar o curso do tratamento. Converse com seu médico para esclarecer suas dúvidas.

A pesquisa do ginkgo biloba para memória

Pesquisadores inscreveram 118 pessoas com mais de 85 anos sem memória ou outros problemas cognitivos em um estudo, publicado em 2008, para descobrir o impacto do ginkgo biloba na memória e na demência. Metade das pessoas tomou um suplemento de ginkgo biloba três vezes ao dia e a outra metade tomou um placebo. Os pesquisadores seguiram com eles por três anos. Ao longo do estudo, 21 pessoas desenvolveram problemas leves de memória; 14 dessas pessoas estavam tomando o placebo, e sete estavam tomando o extrato de ginkgo. Mas nem tudo é boa notícia para o ginkgo. A diferença entre os grupos de ginkgo e placebo não foi estatisticamente significativa. Em outras palavras, o fato de o grupo placebo ter mais casos de problemas de memória poderia ter sido apenas uma mudança aleatória. Esse é um sinal ruim para os adeptos do uso do ginkgo biloba para melhorar a memória e o desempenho cognitivo.

Ginkgo biloba serve para memória?

Durante o estudo supracitado, os participantes foram encontrados para não ter tomado a dosagem adequada dos suplementos. Quando as pessoas que não estavam tomando ginkgo biloba três vezes ao dia foram removidas da análise, os tomadores de ginkgo biloba restantes tiveram 68% menos risco de desenvolver problemas leves de memória ao longo de três anos. Isso parece ser uma redução significativa do risco, no entanto, os resultados dos estudos também revelaram um aumento em riscos que podem prejudicar sua saúde e anular qualquer ganho causado pelo ginkgo biloba.

Efeitos do Ginkgo Biloba

O ginkgo biloba pode ajudar sua memória. Porém, seus efeitos colaterais pode acabar causando problemas. (Foto: Amazing Wellness)

Ginkgo biloba como remédio pode causar AVC

O grupo que tomou o extrato de ginkgo biloba teve mais derrames e mini-derrames do que o grupo placebo. Os pesquisadores concluíram que mais pesquisas precisam ser feitas para entender melhor os benefícios e riscos da ginkgo biloba e da saúde do cérebro. Em recente revisão de estudos relacionados à suplementação de Ginkgo biloba, o Ginkgo biloba mostrou melhora da função cognitiva, atividades da vida diária e avaliação clínica global em pacientes com comprometimento cognitivo leve ou doença de Alzheimer. No entanto, porque muitos estudos são limitados no tamanho da amostra, alguns achados foram inconsistentes e a qualidade metodológica dos estudos incluídos foi de má qualidade, mais pesquisas são necessárias para confirmar a eficácia e segurança do ginkgo biloba no tratamento do comprometimento cognitivo leve e da doença de Alzheimer.

Ginkgo biloba é bom ou ruim para a memória?

No momento, não parece uma boa ideia consumir essa planta medicinal para a memória. Poderia haver algo para as alegações de que o gingko biloba pode melhorar a memória (ou pelo menos diminuir o declínio de memória), mas a evidência não é forte o suficiente, e o possível aumento no risco de derrame é muito alto. Existem também várias formas de ginkgo biloba no mercado. Até que os pesquisadores descubram quais formas são prejudiciais e em que dosagem, parece melhor ficar longe. Exercícios para melhorar a memória podem ser muito mais eficientes.

Como vocês cuidam da memória? Quais exercícios, cuidados e tratamentos usam?

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO receitamos ou prescrevemos substâncias ou tratamentos. NUNCA faça tratamentos ou utilize substâncias sem a indicação de um médico especialista.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)